Como evitar o agravo de alergias respiratórias e de pele no inverno!

Como evitar o agravo de alergias respiratórias e de pele no inverno!

O inverno é o tipo de estação “ame ou odeie”. A queda das temperaturas é o amor de uns, mas o terror de outros, principalmente pelo aumento dos sintomas daqueles que lidam com alergias respiratórias e de pele.

“As alergias respiratórias (como rinossinusites e asma) pioram nesse período porque é um momento de baixa umidade do ar, de alterações bruscas de temperatura e do aumento da poluição atmosférica”, explica a Dra. Brianna Nicolette, alergista e imunologista pela USP.

Essas condições climáticas, por si só, são mais irritantes para a pele e a mucosa de qualquer pessoa. No entanto, para os alérgicos esse efeito irritativo costuma ser pior, já que aumenta a exposição às proteínas alergênicas.

Some-se a isso a vestimenta: no inverno, as pessoas costumam usar roupas de lã e cobertores – ou seja, tecidos que acumulam ácaros -, e que, muitas vezes, estavam a vários meses no armário. Também é habitual nessa época do ano ficarmos em ambientes fechados e com pouca ventilação, o que favorece o desencadeamento de doenças respiratórias e alérgicas.

 

 

“As alergias de pele, como a dermatite atópica e a urticária, também têm impacto nos dias mais frios”, explica a Dra. Brianna. “Nesse caso, os fatores mais prejudiciais nessa época do ano são a baixa umidade relativa do ar e o aumento na temperatura dos banhos, fatores que ressecam ainda mais a pele dos pacientes.”

Pacientes que já convivem com alergias de pele apresentam uma deficiência na barreira cutânea, que tem como função manter a água do organismo – isso significa que essas pessoas perdem mais água do que o normal.

“Por isso, o banho quente, para essas pessoas, é altamente prejudicial, pois a água em altas temperaturas remove o óleo natural da pele, deixando-a mais ressecada e sem proteção”, explica.

Dicas para evitar o agravamento de alergias!

Com tudo isso em mente, o que fazer para evitar a piora das alergias? A Dra. Brianna elencou algumas dicas essenciais e que podem fazer toda diferença nessa época do ano:

– Sempre que possível, abra janelas e portas para arejar o ambiente
– Lave as roupas de inverno antes de usá-las
– Não esqueça de tomar água para manter a hidratação do corpo (e da pele!)
– Evite banhos muito quentes e muito longos
– Use cremes hidratantes adequados para fortalecer a proteção cutânea
– Evite que pets entrem nos quartos e durmam nas camas das pessoas alérgicas (já que o acúmulo de pelos pode aumentar alergias)
– Sempre que possível, tome um pouco de sol para estimular a produção de vitamina D

 

Fonte: Michelly Update Comunicação (michelly@updatecomunicacao.com.br)

Imagem: https://www.saudeemdia.com.br/alergias/dia-mundial-da-alergia-saiba-quais-sao-alergias-respiratorias-mais-comuns-no-inverno/

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#alergia#alergias#alergias de pele#alergias respiratórias#asma#dermatite atópica#rinossinusites#urticária

Hábitos comuns podem prevenir doenças do outono!

Hábitos comuns podem prevenir doenças do outono!

As oscilações de temperatura e a baixa umidade promovem o aumento do ar seco e a concentração de poluentes na atmosfera, assim como o risco do aparecimento de doenças respiratórias. As alterações climáticas do outono provocam problemas como resfriado, gripe, crise de asma, bronquite, sinusite e pneumonia. Os vilões continuam sendo os vírus respiratórios transmitidos por meio de gotículas respiratórias.

De acordo com a coordenadora do curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera, professora Rafaela Saviolli, há uma alta significativa de casos de enfermidades neste período, associadas à redução da umidade relativa do ar, além do aumento da poluição. “O tempo frio e seco facilita a proliferação de agentes como vírus e bactérias”, destaca. “Com as temperaturas mais baixas, a tendência de deixar os ambientes fechados, favorável para as infecções respiratórias. Por essa razão, é importante manter a ventilação e lavar as mãos com frequência”, alerta.

Segundo a enfermeira, a chegada do outono demanda cuidados àqueles que sofrem de doenças crônicas, como a enfisema pulmonar, a asma, a bronquite crônica e as rinossinusites, pois, nesta época, ocorre a possibilidade do aumento das exacerbações.

“Pequenos hábitos irão fazer toda diferença, como a higienização das mãos, uso de máscaras quando necessário, ingerir bastante água e manter os espaços de casa limpos”, recomenda a coordenadora. “No tempo seco, lavar roupas e cobertores que estão guardados há muito tempo antes de usá-los. Se houver irritação no nariz, é indicado usar solução fisiológica”, completa.

 

Algumas dicas para evitar as doenças respiratórias no outono:

1. Hidrate o corpo

2. Não fume

3. Evite se expor a ambientes com muita poeira ou fumaça

4. Mantenha o ambiente arejado

5. Lave as mãos com frequência e utilize álcool em gel

6. Mantenha as vacinas em dia

8. Use roupas adequadas quando houver necessidade

9. Mantenha hábitos saudáveis: tempo ideal de sono, alimentação saudável e pratique exercícios físicos fora do período de temperatura mais intensa.

Tipos de vírus predominantes no outono

– Influenza (gripe);

– Adenovírus (resfriados);

– Vírus sincicial respiratório;

– Rotavírus.

Fonte: Pierre Cruz (pierre.cruz@idealhks.com) / coordenadora do curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera, professora Rafaela Saviolli

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#bronquite crônica#doenças do outono#doenças respiratórias#higienização das mãos#rinossinusites