Depois da Páscoa: deixe seu pet longe do chocolate!

Depois da Páscoa: deixe seu pet longe do chocolate!

A magia da Páscoa é mesmo contagiante, mas para quem possui animais de estimação, pode ser um perigo e tanto. Até porque, quando o feriado acaba, sempre sobra aquele chocolate que ninguém comeu ainda, não é verdade?

Até aí tudo bem, o problema é quando esse restinho vai parar na boca do seu pet, seja porque você não resistiu aos apelos incansáveis e fofos do seu melhor amigo ou ele se aproveitou de algum momento de distração para furtar um ovo que estava dando sopa.

Quem alerta é a veterinária da Nutrire, Dra. Luana Sartori. “Todos já sabem que o chocolate não é indicado para cães e gatos, mas poucas pessoas entendem o motivo dessa preocupação. A vilã dessa história se chama Teobromina – composto encontrado no cacau”, diz. 

Ocorre que o organismo dos animais não consegue metabolizar essa substância, ou seja, ela se acumula no corpo do pet. Aí que mora o perigo, pois a Teobromina em excesso ocasiona muito mais do que problemas estomacais, podendo causar doenças no coração e no cérebro do bichinho. 

Ação tóxica por dias

Além de tudo isso, essa substância fica agindo no organismo do animal por até seis dias. Por isso, o chocolate é alimento proibido para cães e gatos. Aliás, seu melhor amigo deve comer apenas alimentos feitos especificamente para ele.

“Se o pet furtou o chocolate e apresenta alterações como aumento de contrações musculares, excitação nervosa, micção em excesso, elevação da temperatura corporal, respiração acelerada, taquicardia, vômitos ou diarreia, leve-o imediatamente ao veterinário”, indica.

Prevenir ainda é o melhor remédio

Esconda o chocolate ou deixe em locais altos onde o pet não tem acesso. Tanto o cheiro como a embalagem podem despertar a curiosidade do cão.

Se estiver muito difícil suportar os olhares de súplica do animal, dê uma guloseima feita especificamente para ele. Em caso de ingestão acidental, você já sabe: o animal deve ser avaliado por um médico veterinário.

Outros alimentos proibidos

Dra. Luana ressalva que os animais devem se alimentar de produtos preparados exclusivamente para suprir suas necessidades. A especialista fez uma lista de alguns itens que devem ficar longe do seu pet. 

“Alho e cebola também são alimentos que não devem ser permitidos. A cebola, inclusive, pode ser tóxica para o pet se consumida em grande quantidade. O abacate também é bastante prejudicial para a saúde de cães e gatos, isso porque ele possui a persina – substância rica em gordura”, revela. 

A carambola, as frutas secas, uva, café e chás não devem ser oferecidos aos animais. Além de provocar vômito e diarreia, alimentos desse tipo são responsáveis por problemas digestivos sérios e intoxicação. 

Qual é a ração ideal?

São muitas as opções no mercado pet e a escolha deve ser feita de acordo com alguns critérios como o paladar do bichinho, a quantidade de nutrientes do produto, a qualidade da produção e, claro, alimentos que auxiliem na imunidade do seu melhor amigo. 

“O ômega 6 – da mesma família do 3, auxilia na manutenção de uma pele e pelagem forte e bonita. E também temos os antioxidantes como zinco, selênio, vitaminas A e E, que garantem saúde e longevidade aos pets”, completa.

Fonte: Juliana (juzifarias80@comuniquese1.com.br) / veterinária da Nutrire, Dra. Luana Sartori

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#alimentos proibidos#cães#cão#chocolate#cuidados#dog#pet#puppy#ração ideal#veterinária

Como escolher a ração ideal para meu pet?

Como escolher a ração ideal para meu pet?
A chegada de um animalzinho de estimação é só felicidade para a família. Porém, algumas dúvidas sobre a alimentação do pet assombram os tutores. Por isso, o veterinário Thiago Marçal, especialista da Nutrire, separou algumas dicas fundamentais para garantir saúde e bem-estar ao seu cão.
É fundamental ter em mente que a utilização de um alimento completo específico para a fase de vida do animal traz muitos benefícios. “Além de proporcionar uma nutrição completa, com todos os nutrientes, vitaminas e minerais exigidos diariamente, uma boa formulação conta com fontes de proteína de qualidade, proporcionando uma maior digestibilidade, diminuindo assim o volume das fezes e também auxiliando na manutenção da musculatura”, explica Dr. Marçal.
Além disso, o fornecimento de ômega 3 – gordura poli-insaturada, conhecida como gordura ‘boa’,  contribui para manter a imunidade em dia, diminuindo o risco de doenças. “Já o ômega 6 – da mesma família do 3, auxilia na manutenção de uma pelagem forte e bonita, juntamente com o  zinco e selênio. Já vitaminas A e E, garantem saúde e longevidade aos pets”, acrescenta.
O especialista lembra que sempre se deve levar em conta alguns fatores para definir qual o melhor alimento. “Cães em fase de crescimento necessitam um maior aporte de proteína, pois estão desenvolvendo massa muscular, pele e pelagem, além de maior disponibilidade de energia para garantir a saúde e disposição dos filhotes”, diz.
É muito importante salientar que o período que o cão deve consumir alimento para filhotes é diretamente proporcional ao porte do cão, por exemplo, porte pequeno até os 12 meses e porte grande até os 18 meses. “O alimento para filhotes também deve ser indicado para fêmeas nas últimas três semanas de gestação e durante toda a fase de lactação, pois fornece proteína, energia, vitaminas e minerais necessários para a mamãe e os filhotes”, acrescenta.
Quando adultos, a seleção por porte é importante em cães com até 12 kg, assim, eles recebem um alimento com formato e tamanho de grãos que facilita a mastigação, além de cuidados especiais na formulação, como prebióticos e Yucca, que atuam no intestino estimulando a absorção de nutrientes e a diminuição do odor das fezes.
O extrato de Yucca schidigera
Outra grande dúvida dos tutores gira em torno desse aditivo extensamente utilizado em nutrição de cães e gatos. “O extrato atua auxiliando na redução do odor das fezes. As saponinas, presentes em sua composição, têm a propriedade de atuar sobre o metabolismo do nitrogênio fixando amônia e, desta forma, reduzindo os níveis de gases que produzem o odor desagradável nas fezes”, explica.
A planta Yucca schidigera pertence à família Agavaceae e cresce em desertos, mais especificamente nas Américas Central e do Norte – principalmente no sudeste dos Estados Unidos e no México. “Os povos indígenas destas regiões comiam os frutos frescos e secavam as sobras para se alimentar durante os períodos de escassez de alimento”, complementa o especialista. Para a produção de produtos comerciais a base de Yucca, as plantas são mecanicamente maceradas e secas para produção do pó, ou então o macerado sofre processo de prensagem para obtenção do suco. A partir da fibra é obtido o extrato, que então é utilizado no alimento dos pets.
Auxlio texto: Juliana Farias (juzifarias80@comuniquese1.com.br) / veterinário Thiago Marçal, especialista da Nutrire
Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#cachorro#dog#pet#ração ideal#veterinario#vitaminas e minerais

Férias: como viajar com meu cachorro?

Férias: como viajar com meu cachorro?

As férias estão chegando, verão se aproximando e a dúvida que não quer calar: como viajar com meu cachorro da maneira certa? A veterinária responsável pela Monello Select, Luana Sartori, dá algumas dicas para que a experiência seja agradável para o bichinho.

O primeiro passo é checar com o seu veterinário de confiança se as vacinas estão todas em dias, isso é fundamental para que a saúde do pet seja preservada, independente do destino da viagem. “Para uma adaptação sem traumas, leve objetos que o animal vá reconhecer, como seus brinquedos, sua caminha ou até mesmo aquele pano velho que ele adora”, aconselha Luana. Uma plaquinha de identificação com nome e telefone é importante se o ambiente for novo para o pet. “Além disso, não saia sem a guia e mantenha o cão sempre perto de alguém da família”, acrescenta.

Jamais deixe o animal solto dentro do carro ou com a cabeça para fora da janela. Além da possibilidade de se machucar, você pode ganhar uma multa de trânsito. Se a viagem for de avião, cães de menor porte podem ir na parte de cima da aeronave, na sua companhia. Para os casos de animais maiores, opte por caixas ou bolsas de transporte que sejam confortáveis. Lembre-se que o Certificado Veterinário é um documento obrigatório para o embarque e também para as viagens de carro ou ônibus. Ele é emitido pelo seu veterinário e tem validade de 10 dias. Em viagens nacionais, aliás, você precisa apresentar também a Carteira de Vacinação do seu pet.

“Evite mudanças drásticas na rotina do pet, principalmente no caso dos felinos. Não esqueça que gatos preferem ficar no seu ambiente, mas não devem ser deixados sozinhos o tempo todo. Se não tiver um amigo ou familiar que possa ver o animal, no mínimo, de dois em dois dias, contrate uma pet sitter de confiança”, diz Luana. Ter um animalzinho é compensador, mas exige cuidados. “Precisamos lembrar sempre que cães e gatos dão trabalho e necessitam de atenção constante, inclusive no período da suas férias. Antes de planejar a viagem de verão, inclua o pet nesse processo e verifique as melhores alternativas para a família toda”, indica.

Auxilio texto: Jornalista Ju Farias (juzifarias80@gmail.com ) e veterinária responsável pela Monello Select, Luana Sartori

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#atenção nas férias#dicas#pet

Pets urbanos: 10 mitos e verdades sobre pulgas e carrapatos!

Pets urbanos: 10 mitos e verdades sobre pulgas e carrapatos!

Ver seu pet se coçar é algo comum, mas fique atento: muita coceira pode significar algo bem mais sério e que precisa da sua atenção. Entre os mais diversos problemas que seu animal de estimação pode enfrentar durante a vida, a infestação por pulgas e carrapatos está entre os mais comuns. Pesquisas mostram que, em tempos mais frios, 5,4% dos cães e 8% dos gatos levados aos consultórios veterinários têm sinais de infestação por ectoparasitas. Em climas mais quentes, esse número sobe para 27% dos cães e 35% dos gatos.

 

Esses parasitas também são fontes de doenças para seus pets, e que em alguns casos podem ser fatais. Eles podem causar doenças como dermatites, verminoses, anemias e sintomas de estresse nos pets. As pulgas, por exemplo, podem trazer consequências para os cães que vão desde a perda de peso e de apetite até a infecção por vermes como a Dipilidose Canina, causada pelo dipylidium caninum, o que pode levar a diarreias com vestígios de sangue e, em casos mais graves, ataques convulsivos.

 

A maioria das pessoas acha que a presença desses parasitas é mais comum em animais que vivem em áreas rurais ou criados em quintais. No entanto, os pets que vivem em apartamentos também são afetados por esse mal, na maioria das vezes, quando têm algum tipo de contato externo com outro animal que esteja infestado. Mas não precisa entrar em pânico, tome nota de 10 mitos e verdades sobre carrapatos e pulgas, e facilite sua luta para se livrar desses hóspedes indesejados no seu pet.

 

Aqui em casa já tivemos alguns probleminhas desses com a Florzinha e cuidamos direitinho, hoje ela está ótima!

 

 

Carrapatos

Verdade – Os carrapatos promovem infestações em residências

Rhipicephalus sanguineus (mais comumente conhecido como carrapato marrom de cães) é a espécie mais comum no Brasil. Também é a única espécie adaptada a viver e a se reproduzir em ambientes internos e residenciais.

 

Verdade – Carrapatos são fortes

Os carrapatos inserem suas peças bucais na pele do animal, se fixando nele pela secreção de uma substância semelhante à cola. Nunca torcer, agitar ou amassar um carrapato ao tentar retirá-lo do pet. A melhor opção é sempre administrar um medicamento contra carrapatos.

 

Mito – O pet pega carrapatos da grama e de animais silvestres, como pássaros

O carrapato mais comum de cães no Brasil é o carrapato marrom, como vimos, que é urbano. Ele vive em locais de alvenaria à espera de um cão ou, vem de outro animal infestado que está no mesmo ambiente.

 

Mito – Só devemos nos preocupar com carrapatos quando os vemos

Além de muitas vezes ser difícil visualizar os carrapatos quando em pouca quantidade, é muito importante a prevenção! Evitá-los, impede o incômodo que eles causam, mas também a infestação na sua casa.

 

Verdade – Carrapatos são perigosos

Os carrapatos marrons transmitem muitas doenças (hemoparasitoses), como a babesiose e a erliquiose, que podem ser fatais. Além disso, aqui no Brasil, temos um carrapato de cavalos (Amblyomma cajennense ) que também transmite uma doença grave ao pet e aos humanos, a febre maculosa. O medicamento CredeliTM é o único que possui indicação em bula para essa espécie de carrapato.

 

Pulgas

Verdade – As pulgas são espertas e preguiçosas

Elas se acomodam de frente a uma fonte de luz e esperam que cães passem. Quando vêem uma sombra bloqueando a luz, elas saltam em um novo hospedeiro.

 

Mito – As pulgas são facilmente visíveis

As pulgas adultas estarão visíveis andando na pele do animal, embaixo do pelo. Porém, apesar de visíveis a olho nu, são tão pequenas que 8 pulgas enfileiradas somam 2,5 cm somente. Quando em pequena quantidade podem estar “escondidas” entre os pelos e, muitas vezes, só se encontra pequenos pontinhos pretos, as fezes das pulgas (sangue digerido).

 

Verdade – As pulgas usam o pet para disseminar infestações

Elas acasalam e produzem ovos enquanto estão no animal. Após a deposição de ovos, eles caem do pet no ambiente. Em seis dias, os ovos eclodem em larvas semelhantes a vermes e se alimentam de sangue semidigerido (fezes de pulgas) caídas de pulgas adultas. Esses detritos caem do cão e gato no sofá, cama, carpete, carro, isto é, onde quer que ele vá.

 

Verdade – As pulgas agem rapidamente

As fêmeas começam a depositar ovos 24-36 horas após começarem a se alimentar de sangue e podem depositar cerca de 2 mil ovos durante sua vida. Poucas pulgas podem não ser vistas imediatamente, porém os números podem aumentar rapidamente conforme os milhares de ovos se desenvolvem no ambiente. Considerando esse elevado volume, é importante matar as pulgas antes que depositem ovos.

 

Mito – As pulgas mais comuns no cão são as pulgas do cão

A pulga mais comum no cão é a pulga do gato (Ctenocephalides felis). Eles também são infestados pela pulga do cão (Ctenocephalides canis), porém raramente.

 

Dica de tratamento

O tratamento preventivo é a única forma de garantir a segurança e o bem-estar dos pets. Mantendo o seu compromisso de trabalhar incessantemente em busca de soluções que contribuam para a qualidade de vida dos animais, a Elanco apresenta o CredeliTM, um parasiticida inovador e altamente eficaz contra carrapatos e pulgas.

O CredeliTM também é o único antipulgas que começa a agir em apenas duas horas e mata 100% das pulgas em até seis horas – contra os carrapatos, começa a agir em quatro horas e garante 100% de eficácia em até oito horas. Em ambos os casos, o produto garante proteção total por 30 dias. A Elanco Saúde Animal acaba de lançar um novo anticarrapatos e antipulgas com ação rápida e muito mais seguro, sendo o único com indicação em bula contra o carrapato estrela, vetor da febre maculosa, doença que também pode afetar os humanos.

 

Auxilio texto: Edgar Melo / edgar@ortolanicomunicacao.com e Elanco Saúde Animal.
Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#carrapatos#cuidados#dicas#pet#pulgas

Viaje, mas não deixe seu pet sozinho!

Viaje, mas não deixe seu pet sozinho!

Chega o período de férias escolares, as famílias aproveitam para viajar com as crianças e os pets que não seguem junto com os seus tutores, precisam de cuidados. De acordo com a médica-veterinária e membro da Comissão de Bem-Estar Animal, do Conselho Federal de Medicina Veterinária, Liziè Buss, a recomendação, de modo geral, é que os animais de estimação não fiquem sozinhos e tenham sempre a companhia de uma pessoa ou de um outro animal de estimação. Nessas férias, aqui em casa, nós viajamos e a Florzinha ficou na casa da minha mãe com as cachorrinhas das minhas irmãs, a Lulu e a Mila, e havia uma prima nossa cuidando delas, o que foi ótimo e essencial para elas terem todos os cuidados e atenção que necessitam. A solidão para os cães pode sim ser problemática, mesmo que por poucos dias.

 

askmi

 

Cuidados

 

Para não deixar os pets sozinhos, existem creches e hotéis, bem como os cuidadores que visitam a casa do tutor em períodos do dia e/ou noite para fazer companhia e alimentar os animais durante a ausência da família.

 

Também existem os produtos e jogos de enriquecimento ambiental, que ajudam a manter o animal ocupado nos períodos em que ele fica sozinho, reduzindo a ansiedade.

 

Exercícios também ajudam bastante, pois “os animais gostam de trabalhar pelo seu alimento”, assegura Liziè. Passeios, caminhadas e brincadeiras antes de deixar os animais sozinhos são recomendados, pois eles se cansam e conseguem relaxar um pouco mais.

 

A médica-veterinária destaca que os cães que são muito sensíveis devem ter treinamento adequado para que possam se adaptar à rotina moderna das famílias e possam ficar alguns períodos sozinhos.

 

“É preciso ensinar os animais a ficarem sozinhos e, para isso, é importante que os tutores contratem adestradores positivos e tenham um plano de treinamento adequado, de forma a educar o animal a permanecer sozinho e confortável por algum tempo”, recomenda.

 

Danos

 

Segundo Liziè, os animais que não socializam, acabam tendo uma série de problemas, como demonstração de agressividade com outros animais e/ou com pessoas; ansiedade de separação, algumas vezes até necessitando de tratamentos medicamentosos; situações que podem gerar mutilações; e desespero e comportamento de pânico.

 

“São situações que podem interferir na qualidade de vida da família e também da comunidade, que muitas vezes se deparam com cães que uivam e choram o dia inteiro ou tentam fugir”, diz a médica-veterinária.

 

Mas a especialista alerta que os animais, assim como nós, têm dias de tédio, de frustração. “Não é porque em algum momento o cão gritou, chorou, uivou, que isso necessariamente é maus-tratos”.

 

Espero que tenham gostado das dicas e torço para que todos que tenham bichinhos de estimação cuidem deles com muito carinho e amor, pois eles merecem… não somente cachorros e gatos que são mais sociáveis, mas também quem tem coelhos, pássaros, tartarugas, peixinhos, enfim, todos os animais merecem cuidados.

 

Imagem: Internet / Colaboração texto: Assessoria de Comunicação do CFMV

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#amor#animal de estimação#cães#carinho#cuidados#dicas#gatos#pet