Bebê na praia: os cuidados necessários para um passeio tranquilo!

Bebê na praia: os cuidados necessários para um passeio tranquilo!

Aproveitar a praia com um bebê nem sempre é uma tarefa fácil, e isso fica por conta dos questionamentos que rondam sobre o assunto, como: quando é o melhor momento e quais os cuidados necessários durante o passeio. Pensando nisso, a pediatra do Hospital Edmundo Vasconcelos, Mariana Jordão, esclareceu as principais dúvidas:

 

 

1. Existe uma idade recomendada para levar o bebê à praia?

Não existe uma idade específica, porém, é recomendado que o passeio ocorra após os seis meses, pois é quando está liberado o uso de protetor solar e repelentes, além de haver menor risco de infecções. Mas caso seja feito antes dessa idade, é preciso redobrar os cuidados.

2. Quanto à exposição solar, quais cuidados devem ser tomados?

Como mencionado, a partir dos seis meses está liberado o uso do protetor solar, que deve sempre ser FPS 50 ou mais, e ter proteção contra raios UVA E UVB. Somado a isso, no período entre os seis meses e dois anos é indicado usar bloqueadores solares (protetor solar com barreiras físicas que refletem os raios UV).

Outro importante cuidado é no momento da aplicação do protetor, que deve ser feita em torno de 20 minutos antes da exposição, de forma uniforme e por todo o corpo- e não esquecer o couro cabeludo, orelhas, pescoço e em cima dos pés. O produto deve ser reaplicado a cada duas horas e após entrar na água.

O horário é outro importante fator. O ideal é que, principalmente abaixo dos seis meses, a exposição solar seja feita antes das 10 horas e após às 16h/17h, com passeios curtos que não ultrapassem uma hora. Sempre com medidas de proteção como guarda-sol, chapéu, prevenindo contra riscos de insolação, desidratação e câncer de pele.

3. É permitido banho de mar?

Sim, mas é importante lembrar que durante o verão o mar costuma estar impróprio por conta do maior risco de poluição, e por isso, vale procurar águas mais limpas e com temperaturas agradáveis. Águas geladas podem causar queda na temperatura corporal dos bebês.

O contato com o mar, entretanto, deve ser por pouco tempo, preferindo molhar os pés e não mergulhar e redobrando a atenção com o risco de afogamentos. Uma boa dica é montar piscinas infláveis com água doce embaixo de um guarda-sol ou sombras.

4. Durante o banho de mar, é indicado que o bebê use fraldas?

Sim, em crianças que não tem controle esfincteriano, por questões de higiene e cuidados com o meio ambiente, o uso é apropriado. Fezes e urina podem contaminar as águas compartilhadas e a fralda é um meio de conter.

O ideal é utilizar fraldas apropriadas para o uso em mar e piscinas, por não encharcarem, deixando o bebê ou criança confortável durante o uso, que deve ser somente durante o contato com a água. Após esse período, é preciso retira-las e fazer higienização com água doce, a fim de evitar assaduras.

5. Alimentação e hidratação: como proceder?

Para evitar o risco de infecções alimentares, o ideal é trazer água filtrada e o próprio lanche- frutas são uma boa opção, além de fáceis de transportar. O modo de armazenamento dos alimentos também é de extrema importância. Eles devem ser embrulhados e concentrados em isopores para manter uma temperatura ideal e evitar a exposição ao sol.

Oferecer água com frequência para as crianças a partir dos seis meses é muito importante, assim evita a desidratação. Já para os bebês abaixo dessa idade, em aleitamento materno exclusivo, não há necessidade.

A água de coco é outro fator que merece cuidado. O ideal é que seja consumida a partir de um ano, por sua alta concentração em fósforo, sódio, potássio e magnésio- que pode causar um balanço orgânico inadequado. Caso seja consumida antes, não exceder 50ml uma a duas vezes na semana.
Auxilio texto:TREE COMUNICAÇÃO – Rhayssa Nascimento – (rhayssa.nascimento@tree.inf.br) e pediatra do Hospital Edmundo Vasconcelos, Mariana Jordão
Imagem: https://revistacrescer.globo.com/
Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#baby#banho de mar#beach#bebê#cuidados#dicas#exposição solar#praia

Por que é tão difícil mudar hábitos?

Por que é tão difícil mudar hábitos?

Sabemos que, para a maioria das pessoas, é muito difícil mudar um hábito. Por que será? O que está relacionado às nossas rotinas que nos impede de realizar mudanças para melhor? Para a fisioterapeuta com foco em Saúde Integrativa, Frésia Sa, Talvez, a resposta esteja nas nossas crenças e nos nossos traumas.

 

 

Alguns números podem nos ajudar a compreender por que mudar hábitos é algo diferente para cada pessoa: com relação à questão de tempo, existe uma pesquisa realizada que muda um pouco a lógica que é apregoada nas redes sociais e que já foi tema de livros. Segundo um estudo da Universidade Colege London, com 96 participantes, que durante 84 dias realizaram mudanças de rotina em diferentes graus, existem, também, diferentes tempos para a adesão de hábitos.

 

“Para hábitos simples, como beber um copo com água todas as manhãs, o prazo de 21 dias, que é o mais conhecido, funciona muito bem”, explica Frésia, “entretanto, conforme o hábito vai sendo mais intenso, ou necessite de mudanças mais drásticas que mexam conosco de formas mais profundas, o prazo vai, também, aumentando”.

 

A média desse estudo foi de 66 dias, com picos de 84 dias, no caso de mudanças mais complexas, como realizar 50 abdominais diariamente. “Para nós, que trabalhamos com saúde integrativa, ou seja, que reúne todas as áreas da vida e que também investiga traumas, crenças, as mudanças precisam estar alinhadas com a saúde corpo-mente para acontecerem de formam mais natural e, portanto, rápida”, lembra Frésia.

 

Mas, o que são hábitos?

 

A fisioterapeuta explica: “o que conhecemos por hábitos são ações repetidas que realizamos numa sequência automática com uma frequência que se torna uma rotina. Esta capacidade mecânica de realizar libera a mente, o que facilita muito a ação do sistema nervoso, pois a força vontade dispende muita energia, nos ocupando de maneira muito significativa. Seria como quando aprendemos a dirigir, no início gastamos uma energia muito maior pensando em cada etapa de como fazer. Depois quando isto vira um “hábito” nossa mente fica livre para escutar uma música, conversar”, revela.

 

“Quase metade de tudo que fazemos são hábitos”, lembra Frésia, “portanto, se deseja transformar a sua vida, mudar os hábitos é um caminho bastante decisivo. Neste sentindo, usar o foco de maneira consciente para identificar que hábitos são construtivos ou limitadores para o seu propósito pode facilitar atingir a realidade que você deseja”.

 

Assim, a primeira decisão é identificar todas as características do padrão que deseja mudar na sua vida. os pontos principais que se deve analisar são: gatilho, rotina e recompensa. Então, o que desperta em você a ação mecânica? Como são as etapas destas ações? O que você ganha com esta repetição diária de ações?

 

Frésia explica que não há como eliminar um hábito completamente: “nesse sentindo, o mais inteligente seria substitui-lo. Para que você tenha sucesso nesta substituição é importante que você comece pequeno, isto é, escolha um hábito por vez e implemente pequenas novas ações repetidas e abuse das recompensas. Lembre-se você é aquilo que faz e pensa repetidamente, portanto escolha com bom senso aquilo que vai incorporar em sua vida, isto virá a ser um obstáculo ou um facilitador da vida que você tanto deseja”.

 

Quero mudar, mas minhas memórias não deixam

 

“Vamos pensar em um caso de alguém que tenha ouvido, a vida toda, que é preguiçoso, ou pouco esforçado, ou que nunca consegue nada do que quer. Desde criança. Essa crença, no caso, ficou gravada no inconsciente e essa pessoa possivelmente agirá, na vida, sem perceber, de forma preguiçosa e pouco esforçada. Não por vontade própria e, muitas vezes, nem mesmo por uma característica pessoal. Mas porque ela acredita que é assim”, revela a especialista.

 

Uma crença limitante pode ampliar o tempo de uma mudança de hábito ou, inclusive, invalidar a própria mudança! “O mesmo acontece com traumas. Alguém que sofreu um trauma em um assalto noturno, por exemplo, pode criar um hábito de não sair de casa à noite. E, caso o trauma não seja tratado, mudar esse hábito pode ser quase impossível. Estamos dando um exemplo prático, mas podemos ter traumas desconhecidos que nos limitam de forma inconsciente”, lembra Frésia.

 

Para ela, em casos como esses, o trabalho de Saúde Integrativa, que analisa todas as áreas da vida do paciente, e o uso da Microfisioterapia e do PSYCH-K®, por exemplo, que são ferramentas que Frésia utiliza, são fundamentais para tratar os traumas e as crenças e criar um programa de mudança de hábitos.

 

Saiba mais: https://www.biointegralsaude.com.br/

Fonte: Biointegral Saúde

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#dicas#habitos#mudança de habitos#saude

Dicas de passeios em Miami!

Dicas de passeios em Miami!

Oi meninas, tudo bem?! Recebi muitos pedidos por direct sobre dicas de passeios em Miami! Como temos casa aqui acabamos conhecendo muitos lugares, endereços legais etc… Vou passar para vocês um roteiro de 4 dias aqui na cidade, tá? Não precisa ser necessariamente nessa ordem, são apenas sugestões:

 

Sunny Isles e Aventura

 

Minha praia preferida em Miami é sem dúvida alguma a de Sunny Isles! Se você não estiver hospedada em hotel ou apartamento pé na areia pesquise alguns “day use” de hotel pois vale a pena! Se você não liga em ter que levar cadeira ou guarda sol, pode estacionar o carro nas entradas públicas e curtir a praia sem pagar nada! Aproveite o dia e vá ao shopping Aventura! Ele é enormeeeeee e você irá precisar de metade do dia ao menos! Lá tem várias opções de restaurantes! No bairro Aventura você também encontra o Gulfstram (complexo de lojinhas, boliche, restaurantes e cassino)! Pelas ruas super indico uma passadinha na Target, Michaels , Nordstrom Rack e Marshall’s! Amoooooo todas!

 

 

Bal Habour e Lincoln Road

 

O shopping Bal Habour é considerado o mais luxuoso da cidade, com marcas super famosas! Mesmo que seu “budget” não permita, não deixe de ir passear e almoçar por lá! Amo o Makoto!  Mais tarde, sugiro passeio pela Lincoln Road, um clássico da cidade! Lá tem mil lojas (Zara, Sephora etc) e restaurantes. Não deixe de provar o melhor Sanduiche da cidade – Shake Shack!

 

 

Design District e Wynwood 

 

Os bairros mais “cool” e artsy de Miami estão aqui! Mas não indico nada em Wynwood após as 17 hs! O design é incrível no quesito lojas, restaurantes e decor! Tente almoçar no grego Mandolin! Se vocês tiverem mais dias indico muitooooo um passeio por Palm Beach (já fiz vários posts sobre a cidade, coloquem no Google Ask Mi + Palm Beach) e Key Biscayne (também tem um post aqui no blog recente sobre lá).

 

Design District

 

Wynwood

 

Imagem 1: www.yelp.com/biz_photos – Imagem 2: https://dicaspramiami.com.br/ – Imagem 3: https://www.miamidesigndistrict.net/visitor-info/ – Imagem 4: https://www.enjoymiamidicas.com/

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#Aventura#Bal Habour#Design District#dicas#Lincoln Road#Miami#Sunny Isles#Wynwood

10 dicas de segurança para o período de férias!

10 dicas de segurança para o período de férias!

No mês de janeiro, a maioria dos estudantes está de férias e passa boa parte desse período em casa. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 110 mil crianças são hospitalizadas anualmente vítimas de acidentes dentro de suas próprias residências. Durante o período de recesso escolar, essas ocorrências aumentam em 25%. Entre os incidentes mais comuns estão quedas, queimaduras, envenenamentos, sufocamentos e afogamentos.

 

“Nessa época, as crianças passam mais tempo dentro de casa e o perigo pode estar no tapete da sala, nas tomadas, nas panelas no fogão e até mesmo na caixa de remédios”, explica Robert Wagner dos Santos, especialista em segurança da ADT, empresa de monitoramento de alarme.

 

Pensando nisso, a ADT listou algumas dicas para garantir as férias em casa com cuidado e tranquilidade. Veja quais são os pontos de maior vulnerabilidade e soluções que ajudam a deixar a residência mais segura para os pequenos:

 

 

  1. Dê preferência às bocas de trás do fogão e vire os cabos das panelas para trás, evitando que alguma criança se esbarre e se queime. Fósforos e isqueiros devem ser armazenados em locais altos e trancados, assim como materiais de limpeza e objetos cortantes, como garfos, facas, copos de vidro etc;

  2. Coloque protetores nas tomadas e evite usá-las para mais de dois eletrodomésticos;

  3. Dê preferência para móveis de cantos arredondados e deixe-os longe das janelas. Coloque grades e redes de proteção nas janelas e varandas e evite cortinas com puxadores que possam provocar enforcamento;

  4. Os corredores devem ser iluminados, de dia e à noite, e possuir piso antiderrapante, sem tapetes e outros objetos que atrapalhem a circulação;

  5. Nas escadas, use grades ou portões de proteção no topo e na base;

  6. Mantenha cosméticos e medicamentos em armários trancados;

  7. Guarde os brinquedos para evitar quedas e tropeços;

  8. Guarde as bebidas alcoólicas em armários altos e com travas;

  9. Informe-se sobre as espécies de plantas venenosas mais comuns e tenha conhecimento sobre seu jardim;

  10. Na piscina, que deve ter cerca ou grade de proteção (com portão trancado) e lona de cobertura, supervisione a diversão das crianças e evite brinquedos no fundo.

 

O especialista também alerta: “além das recomendações acima, é importante combinar o que fazer em situações de emergência, já que muitas vezes as crianças não sabem para quem ligar”. O alarme monitorado, portanto, é um grande aliado. “Com essa tecnologia, é possível pedir ajuda por meio do sistema. Basta apertar botões de acordo com a situação: perigo, emergência médica ou incêndio”, explica Santos. A ADT oferece uma solução que combina alarme monitorado, câmeras, interatividade e notificações. “O sistema traz mais tranquilidade durante as férias porque possibilita ao usuário ver o que está acontecendo no local e ajuda com a tomada de providências”, finaliza.

 

Auxilio texto: Isabela Rodrigues (isabela@pimenta.com) / Pimenta Comunicação 

Imagem: https://www.rapidonoar.com.br/

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#cuidados#dicas#segurança

Dica de Trancoso!

Dica de Trancoso!
Oieeee gente, tudo bem?
Mesmo estando aqui em Miami quero contar para vocês sobre nossa experiência em Trancoso no Club Med já que recebi muitos directs perguntando do hotel, dos restaurantes etc..
Esse ano escolhemos passar o Natal por lá com toda a família e foi uma delícia! Começamos a programar em meados de julho e a nossa dúvida era se ficávamos em hotel, pousada ou alugávamos uma casa. Depois de muito refletir, optamos por ficar no Club Med pensando nas meninas já que a equipe de G.O’S e animações de lá é muitoooooo boa!!!
As vantagens de ficar no hotel são:
– ele é all inclusive (inclusive bebida alcoolica);
– a parte da recreação é muitoooo boa e de confiança;
– agrada toda a família pois tem muitas atividades;
– dá para ir ao Quadrado alguns dias e curtir Trancoso;
– gostei bastante da comida (não repetiram nenhum prato durante 1 semana);
– a parte do restaurante foi toda reformada e as acomodações (quartos)  das duas primeiras áreas do hotel;
– deram todo atendimento necessário a alimentação da Vivi (sem glúten);
– acesso a praia através de um bondinho/teleférico que fica pertinho da piscina;
Desvantagens:
– não é pé na areia;
– fica há uns 20 minutinhos do Quadrado (lugar mais legal de Trancoso) porém o acesso é chatinho (estrada de terra);
– algumas alas ficam longe da recepção e restaurantes. Precisa pedir para ficar nas acomodações reformadas e próximas ao hotel.
Confiram os cliques:
Espero que tenham gostado!
Beijos, Mi
Imagens: Marina Xandó
Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#Club Med#dicas#férias em família#Trancoso