Receitinha para o finds!

Receitinha para o finds!

Para quem ama azeite como eu, segue uma receita simples na qual o azeite ganha todo o destaque no prato!

 

 

MOLHO PESTO

2 xícaras de folhas de manjericão fresco
1/2 xícara de nozes picadas
1 xícara de queijo parmesão ralado
2 dentes de alho picados
1 1/2 xícara de azeite
Sal a gosto

Preparo: Bata tudo no liquidificador ou mixer.
Use para temperar saladas, acompanhando pães e torradas ou massas.

 

Auxilio texto: Fernanda Martins (fernanda@paulaconceicao.com.br) / nutricionista do Oba Hortifruti, Renata Guirau

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#azeite#molho pesto#receita

Azeite de oliva: nutricionista responde principais dúvidas!

Azeite de oliva: nutricionista responde principais dúvidas!

Se existe um ingrediente que sempre está presente na cozinha, é o azeite de oliva! Prático e versátil, esse óleo é um dos itens mais utilizados na hora de agregar aroma e sabor nas mais variadas receitas. Para quem tem dúvidas sobre qual azeite escolher, como acrescentar na alimentação e como esse alimento pode beneficiar a saúde, a nutricionista do Oba Hortifruti, Renata Guirau, responde aos questionamentos que mais escuta no consultório.

Ao final, a profissional também ensina receitas simples nas quais o azeite ganha todo o destaque no prato: molho pesto, azeite aromático e até uma manteiga de azeite.
Confira!

1. Quais são os benefícios do consumo do azeite?
Renata: “Assim como outros tipos de óleos vegetais, o azeite é livre de colesterol ruim (LDL) e fonte de gorduras monoinsaturadas e polinsaturadas (incluindo o ômega-9). O consumo auxilia no controle sérico de colesterol, ajuda a proteger a saúde cardiovascular e também a reduzir a inflamação do organismo”.

2. O azeite é mais saudável que outros tipos de óleo?

Renata: “Como mencionado anteriormente, o azeite é um tipo de gordura que deve fazer parte da nossa alimentação, entretanto, ele sozinho não fornece todos os ácidos graxos essenciais que precisamos. Por isso, a recomendação é incluir outros tipos de gordura na dieta, principalmente o ômega-3 dos peixes. De qualquer forma, podemos considerar que é mais saudável que outros óleos vegetais, como o de soja e o de canola”.

3. Qual a diferença entre os tipos virgem, extra virgem e refinado? Como escolher a melhor opção?

Renata: “O que difere é principalmente o teor de acidez permitido em cada tipo.
O azeite refinado pode ter acidez maior que 2%. É um produto geralmente obtido de azeitonas de qualidade inferior, sem padronização de sabor e que, por isso, precisa passar por refinamento industrial para padronização das características sensoriais.
Já o azeite virgem deve ter acidez entre 1% a 2%. Ele deve ser extraído das azeitonas sem adição de nenhum produto químico.  O azeite extra virgem é obtido dessa mesma forma, mas deve ter acidez inferior à 1%. Também vale mencionar que o extra virgem é mais sensível ao calor, quando comparado às demais variedades.

Na hora de escolher, os principais pontos a serem considerados são: o tipo de preparo (para cozinhar ou temperar) e o sabor que mais agrada. Há também quem goste de verificar a origem de produção”.

4. Qual a melhor forma de inserir o azeite na alimentação?
Renata: “A melhor maneira é usar no preparo de alimentos e no tempero de saladas. Também pode ser usado para regar carnes já prontas e massas. Outra opção, muito comum em países europeus, é regar pães com o azeite imediatamente antes do consumo. Dessa forma, conseguimos obter o sabor e aproveitar todos os benefícios do tempero”.

5. É verdade que aquecer o azeite pode ser prejudicial para a saúde?
Renata: “Aquecer o azeite à altas temperaturas pode fazer com que ele produza uma substância chamada acroleína, que é irritante ao estômago. Isso acontece quando o azeite atinge temperatura suficiente para produzir uma fumaça esbranquiçada (o que chamamos de ponto de fumaça). Se o azeite for aquecido apenas para refogar algum tempero ou for utilizado para regar alguma preparação que será assada, dificilmente chegará a essa temperatura em que ele “queima”.

Ainda assim, uma sugestão para esses preparos quentes seria usar o azeite virgem (e não o extra virgem), que é mais resistente à temperatura.  É importante ressaltar que o azeite não é uma boa opção para o preparo de alimentos fritos sob imersão, como parmegiana, pastel e outros pratos em que o alimento é mergulhado na gordura fervendo”.

6. O azeite engorda? Podemos consumi-lo à vontade?
Renata: “O azeite engorda se for consumido em excesso, já que é uma gordura, ainda que boa. Todo alimento fonte de gordura será bastante calórico e deverá ser consumido com moderação. Não existe uma quantidade padrão indicada para cada pessoa. Pode ser consumido diariamente, desde que o suficiente para o preparo ou tempero dos alimentos. Dessa forma, não fará mal à saúde”.

Agora que você já sabe como inserir o azeite de maneira saudável na sua alimentação!

 

 

Auxilio texto: Fernanda Martins (fernanda@paulaconceicao.com.br) / nutricionista do Oba Hortifruti, Renata Guirau

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#azeite#dicas#nutrição#saude

Dicas de produtos trufados!

Dicas de produtos trufados!

Oii meninas, tudo bem??? Hoje quero falar com vocês sobre produtos trufados! Sou apaixonada por eles e acho que vale a pena comentar um pouquinho aqui.

 

Não sei se todos conhecem, mas as trufas são tubérculos e crescem a 30 ou 40cm de profundidade próximos às raízes de carvalho ou castanheiras. Elas recebem esse nome por serem semelhantes as nossas trufas de chocolate. Existem diversos tipos de trufas, porém são classificadas basicamente em dois grupos, a negras e brancas. As trufas brancas possuem o aroma muito mais intenso se comparado ao das trufas negras. Elas vêm principalmente de uma cidade italiana chamada Alba e seu preço pode ultrapassar U$15 mil o quilo! Já as trufas negras possuem um aroma menos intenso e são mais fáceis de se encontrar, com isso o seu preço é bem menor, custando de U$700 a U$2 mil o quilo. Elas originalmente vêm da França.

 

Em relação a conservação podemos dizer que é um problema, pois a trufa começa a perder o seu aroma em apenas 4 dias após ser colhida. Com isso temos várias alternativas à trufas frescas, que são os azeites trufados, maioneses trufadas, manteigas trufadas e trufas em conserva. Esses dias ganhei alguns produtos trufados e são muito bons, quero compartilhar com vocês! São eles: maionese, mel, azeite e mostarda.

 

Askmi

 

Não tenho foto do azeite e mostarda, mas também são deliciosos. Esses dias o Victor fez um hamburguer artesanal e colocou no sanduíche a maionese e a mostarda trufados, ficou maravilhoso! O mel e azeite podemos comprar no Amazon e produtos até 50 dólares não tem taxa. A maionese e mostarda podemos encontrar no site Bed Bath & Beyound. Vale a pena meninas!

 

Foto: AskMi

Marina Xandó

ESCRITO POR Marina Xandó

Idealizadora e editora chefe do Ask Mi, Marina é esposa, advogada, blogueira, dona de casa e mãe da Maria Victoria. Começou o AskMi para passar suas dicas adiante. Também é o cérebro - e coração - por trás do Concierge Maternidade AskMi, onde presta consultoria para grávidas, desde o enxoval até organização de recepções e festas.

#alimentos#azeite#Blog AskMi#dicas#maionese#mel#mostrada#produtos trufados#trufa#trufa branca#trufa negra